Doença da Arranhadura do Gato

A Doença da Arranhadura do Gato é uma patologia infecciosa causada por uma bactéria chamada Bartonella. É caracterizada por conjuntivite infeciosa, transmitida por animais, associada a inchaço e dor nos gânglios linfáticos. Acredita-se que possa ser transmitida por arranhões, mordidelas e exposição a saliva de gato. Esta doença é também conhecida por Bartonelose. Estima-se que a sua prevalência seja de 1 a 9/100.000 nascimentos. O seu surgimento é esporádico. O aparecimento ocorre geralmente na idade adulta.

Foi descrita pela primeira vez em 1889 por H. Parinaud. O pico de incidência parece situar-se entre os 30 e os 50 anos de idade. 75% dos casos acontecem durante o período frio do ano, entre setembro e abril. A relação masculino-feminino é de 3:2.

Causas

O agente patogénico é um bacilo Gram negativo, o Bartonella Henselae. Os vetores responsáveis ​​pela transmissão da doença são pulgas de contaminação, que ocorre através de um arranhão ou de uma mordidela de gato ou através da picada de uma pulga infectada.

Sinais e Sintomas

  • Linfadenopatia (edema e dor nos gânglios linfáticos)
  • Febre (38-41°C)
  • Fadiga
  • Dores de cabeça
  • Esplenomegalia
  • Manifestações cutâneas (exantema maculopapular transitória)
  • Outras manifestações atípicas também foram observadas:
  • Comprometimento neurológico com encefalite ou envolvimento de nervos periféricos
  • Comprometimento oftalmológico (síndrome oculoglandular Parinaud)
  • Envolvimento pulmonar
  • Comprometimento cardiovascular
  • Hepatomegalia
  • Púrpura
  • Trombocitopénia
  • Eritema nodoso.

Diagnóstico

Além do quadro clínico, o diagnóstico é baseado em testes sorológicos (imunofluorescência indireta ou ensaio imunoenzimático com titulação de anticorpos IgG e IgM), exame histopatológico de linfadenopatias mostrando características que são consistentes, mas não patognomónicos e reacção em cadeia da polimerase em biópsias de nó valvulares ou linfa.

Prognóstico

O prognóstico desta patologia é muito positivo para pacientes imunocompetentes, com resolução espontânea em 90% dos casos. No entanto, antibioterapia é necessário nos casos de imunodepressão, bem como nos casos com envolvimento neurológico e cardíaco.

Tratamento

Apesar de esta patologia normalmente desaparecer sem tratamento, terapia com antibióticos e ou antimicrobianos podem acelerar a recuperação.

Fontes:
Partilhe este artigo
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

0 comments

 
RSS ArtigosRSS ComentáriosVoltar ao topo
© 2012 As Doenças Raras ∙ Template por BlogThietKe