Síndrome Caroli

A Doença e a Síndrome de Caroli são raros distúrbios congénitos das vias biliares. Sendo ambas caracterizadas pela dilatação da árvore biliar intra-hepática. A variante mais comum é a Síndrome de Caroli e é caracterizada por dilatação do ducto biliar grande, em associação com a fibrose hepática congénita.

A Doença de Caroli está limitada a ectasia ou dilatação segmentar dos ductos maiores intra-hepáticos. Esta forma é menos comum que a síndrome. A Síndrome de Caroli pode ser encontrada em associação com a doença renal policística autossómica recessiva com rim esponjoso medular e doença quística medular

O aparecimento da Doença de Caroli acontece de forma esporádica e é normalmente herdada de forma autossómica dominante. Enquanto a síndrome de Caroli é geralmente herdada de forma autossómica recessiva. A idade de início é variável e, principalmente, as mulheres são afetados.

Sinais e Sintomas da Doença de Caroli

  • Colangite bacteriana recorrente
  • Cálculos biliares
  • Cólicas biliares
  • Pancreatite.

Sinais e Sintomas de Síndrome de Caroli

  • Hipertensão portal
  • Colangite bacteriana
  • Hepatomegalia
  • Esplenomegalia
  • Varizes de esofágicas
  • Hemorragia gastrointestinal.

Diagnóstico

É baseado nos achados clínicos que podem ser comprovados por tomografia computorizada ou ressonância magnética.

Tratamento

O tratamento da Doença de Caroli depende da apresentação clínica, localização e estágio da doença. O tratamento conservador pode incluir cuidados de suporte com antibióticos para colangite e ácido ursodesoxicólico de cálculos biliares. A ressecção cirúrgica tem sido utilizada com sucesso em pacientes com doença monolobar. Para os pacientes com envolvimento difuso, o tratamento de escolha é o transplante de fígado.

 Prognóstico

O prognóstico para os indivíduos com doença de Caroli é variável e determinado pela frequência e gravidade dos episódios de colangite, a presença de doenças associadas, e o aumento do risco de cancro do ducto biliar.

 Fontes:
Partilhe este artigo
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

0 comments

 
RSS ArtigosRSS ComentáriosVoltar ao topo
© 2012 As Doenças Raras ∙ Template por BlogThietKe