Síndrome Prieur-Griscelli - Síndrome Cutâneo Crónico Infantil Neurológico e Articular - Doença Multissistémica Inflamatória

A Síndrome Prieur-Griscelli é um distúrbio congénito inflamatório, caracterizado por uma tríade de sintomas de início neonatal, que vão desde manifestações cutâneas, a meningite crónica, dor e febre recorrente e inflamação. É também conhecida por Síndrome Cutâneo Crónico Infantil Neurológico e Articular ou Doença Multissistémica Inflamatória.

Esta síndrome é uma doença genética. O defeito genético é uma proteína chamada criopirina, que tem a importante tarefa de controlar a inflamação no corpo.Tem uma prevalência inferior a 1/1.000.000 nascimentos. A hereditariedade é autossómica dominante. A idade de início é a neonatal e a infância.

Causas

Esta patologia é causada por mutações no gene CIAS1/NLRP3.

Sinais e Sintomas

Os primeiros sintomas desta síndrome começam geralmente no nascimento, ou são observados durante as primeiras semanas de vida. Os primeiros sintomas são geralmente uma erupção cutânea e febre.

Os bebés podem também ter sintomas neurológicos, como meningite crónica (inflamação das membranas que envolvem o cérebro), perda de visão e audição. Cerca de 50% das crianças têm mais tarde algum envolvimento articular grave e anomalias de crescimento significativas. Os sintomas desta síndrome não são contagiosos.

Diagnóstico

Para o estabelecimento do diagnóstico utilizam-se técnicas avançadas de identificação das anomalias cromossómicas. Os achados clínicos são também muito importantes, sendo um ponto de partida para exames complementares.

Tratamento

Não há cura para esta patologia. O tratamento depende da gravidade dos sintomas manifestados, que é muito variável entre os indivíduos afetados. Um estudo genético familiar é aconselhado. 

 Fontes:
Partilhe este artigo
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

0 comments

 
RSS ArtigosRSS ComentáriosVoltar ao topo
© 2012 As Doenças Raras ∙ Template por BlogThietKe