Polineuropatia Inflamatória Crónica - Polineuropatia Crónica Inflamatória Desmielinizante

A Polineuropatia Inflamatória Crónica é uma resposta imunológica anormal caraterizada por inchaço e irritação dos nervos (inflamação) que leva a uma perda de força ou sensibilidade e conduz a um tipo comum de dano para os nervos fora do cérebro ou da medula espinal, denominado de neuropatia periférica. O termo “polineuropatia” significa a envolvência de vários nervos. Geralmente afeta ambos os lados do corpo com a mesma intensidade. É também conhecida por Polineuropatia Crónica Inflamatória Desmielinizante.

Causas

A causa desta patologia é uma resposta imunológica anormal. As causas específicas variam. Em muitos casos, a causa não pode ser identificada. Ela pode ocorrer com outras condições, tais como:
  • Doenças auto-imunes
  • Hepatite crónica
  • Diabetes
  • VIH
  • Doença inflamatória intestinal
  • Lúpus eritematoso sistémico
  • Linfoma
  • Síndrome paraneoplásica
  • Tireotoxicose
  • Efeitos colaterais dos medicamentos para tratar câncer ou VIH.

Sinais e Sintomas

  • Astemia
  • Dificuldade em usar os braços ou as mãos
  • Fraqueza facial
  • As alterações de sensação (geralmente afeta primeiro os pés, depois os braços e mãos)
  • Dormência ou diminuição da sensação
  • Dor, queimadura e formigueiro nos membros
  • Problemas de intestino ou bexiga
  • Dificuldade em respirar
  • Fadiga
  • Rouquidão ou mudança de voz
  • A perda de função ou sensação nos músculos
  • Atrofia muscular
  • Contrações musculares
  • Paralisia da face
  • Comprometimento da fala
  • Dificuldade de deglutição
  • Movimento descoordenado
  • A perda de massa muscular
  • Ausência de reflexos
  • Paralisia.

Complicações

  • Redução permanente ou perda de sensibilidade em áreas do corpo
  • Fraqueza ou paralisia permanente em áreas do corpo
  • Lesão repetida ou despercebidas a uma área do corpo
  • Efeitos colaterais dos medicamentos utilizados para tratar o distúrbio.

Diagnóstico

Os testes para o estabelecimento do diagnóstico podem incluir:
  • A eletromiografia
  • Testes de condução do nervo
  • Biópsia do nervo
  • Radiografia
  • Tomografia computorizada
  • Ressonância magnética
  • Análises sanguíneas.

Tratamento

O principal objetivo do tratamento é controlar os sintomas. O tratamento varia consoante a gravidade dos sintomas e o grau de limitação do paciente. Os tratamentos podem incluir:
  • Corticosteróides para ajudar a reduzir a inflamação e aliviar os sintomas
  • Outros medicamentos que suprimem o sistema imunitário (especialmente para alguns casos mais severos)
  • Retirar os anticorpos a partir do sangue, utilizando-se a plasmaferese ou troca de plasma
  • Imunoglobulina intravenosa, que envolve a adição de grandes quantidades de anticorpos para o plasma do sangue para reduzir o efeito dos anticorpos, a principal causa do problema.

Prognóstico

O prognóstico é muito variável, depende da severidade e da especificidade da doença. Ela pode continuar a longo prazo ou pode ter episódios repetidos de sintomas. A recuperação completa é possível, mas a perda permanente da função do nervo pode acontecer.

Fontes:
Partilhe este artigo
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...

0 comments

 
RSS ArtigosRSS ComentáriosVoltar ao topo
© 2012 As Doenças Raras ∙ Template por BlogThietKe