Síndrome Dolorosa Complexa Regional

A Síndrome Dolorosa Complexa Regional é uma condição de dor crónica que afeta principalmente os braços ou pernas e é muitas vezes desencadeada por uma lesão. É caracterizada por uma dor constante,  com alterações da sensibilidade, da cor da pele e da temperatura no local de lesão. A dor é desproporcional com a gravidade da lesão e piora com o tempo.

Causas

A causa desta síndrome ainda não é completamente compreendida. Em geral pensa-se ser causada por danos no sistema nervoso, como por lesão ou infecção de um braço ou uma perna, ataque cardíaco ou derrame cerebral. Este dano inclui danos aos nervos que controlam os vasos sanguíneos e glândulas sudoríparas.

A segunda teoria é a de que esta síndrome é causada por uma activação da resposta imune, o que leva aos sintomas característicos de inflamação: calor, vermelhidão e inchaço na área afetada.

Sinais e Sintomas


  • Dor constante num membro lesado (mão, pé, braço ou perna)
  • Mudanças drásticas na cor e temperatura da pele ao longo do membro afectado ou parte do corpo, acompanhada por dor intensa, alterações da sensibilidade, suor e inchaço
  • Alterações nas unhas
  • Alterações no crescimento de cabelo
  • Pele fina e seca
  • Rigidez muscular e nas articulações
  • Perda de músculo
  • Dificuldade de locomoção no membro afetado
  • Contrações nos músculos e nos tendões.

  • Tratamento

    O Tratamento desta síndrome deve ser iniciado o mais cedo possível. O tratamento pode incluir biofeedback, quente e frio, bloqueio do nervo, bomba de dor interna, analgésicos, esteróides, medicamentos para a perda de osso, antidepressivos, fisioterapia, terapia ocupacional, estimulador da medula espinhal. Se tudo isto não surtir os efeitos mínimos desejados a cirurgia (simpatectomia cirúrgica) pode ser considerada. Consiste no corte dos nervos afetados levando a que o paciente perca a sensibilidade naquela região intervencionada de modo a parar a dor. 

    Fontes:








  • EUCERD (European Union Committee of Experts on Rare Diseases)
  • ORDR (Office of Rare Diseases Research)
  • Partilhe este artigo
    • Share to Facebook
    • Share to Twitter
    • Share to Google+
    • Share to Stumble Upon
    • Share to Evernote
    • Share to Blogger
    • Share to Email
    • Share to Yahoo Messenger
    • More...

    0 comments

     
    RSS ArtigosRSS ComentáriosVoltar ao topo
    © 2012 As Doenças Raras ∙ Template por BlogThietKe